sábado, 30 de abril de 2011

Côncavo e Convexo

"Eu louca, eu lúcida
Eu consciente, eu insana
Eu autêntica, eu disfarçada
Eu boba, eu esperta
Eu confiante, eu precavida
Eu solidária, eu briguenta

Eu rindo, eu chorando
Eu alienada, eu intelectual
Eu destruidora, eu solidária
Eu acompanhada, eu e meus “contatos”
Eu crédula, eu beata
Eu confiante, eu desconfiada

Eu me olhando no espelho, buscando meu eu

O espelho é cruel, mas é leal
Quem não tem coragem de encará-lo
Vive mostrando imagens diferentes, conforme a situação
Até a hora em que perde sua própria identidade
Vira um mix de nada

Tentando ser perfeito
Atinge o máximo da imperfeição"


By Elena Corrêa

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Apenas Fantasmas


"Como é difícil entender a diferença entre a solidão e o estar sozinho...
Como confundem tudo
Propositalmente

Alguns dizem: tenho medo da solidão
Quando deveriam dizer: tenho medo de me encarar

Outros dizem: não gosto de ficar sozinho
Quando deveriam dizer: tenho medo de ouvir minha própria voz

Buscam vozes que nada dizem
Buscam companhias que nada acrescentam

Mas fingem satisfazer-se com falsos discursos, com falsas presenças
Que assim seja...

Que se sintam acompanhadas sempre
Seja lá pelo que ou por quem for
Que sejam felizes

E não reclamem quando as falsas vozes se calarem
As falsas presenças se ausentarem

Porque neste momento, talvez não reste mais nada
Apenas fantasmas..."


By Elena Corrêa

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Cúmplices

"Caio
Desmorono
Mas a sensação de dever cumprido me levanta

Acreditar e confiar fez-me revelar um segredo nosso

Fui traída
E essa traição pesou em nós
Só em nós

E ficamos ambos perdidos
Culpa minha?
Culpa sua?
Culpa nossa?
Culpa deles?

Não importa...

Nós sobrevivemos
E o que há em nós, há só em nós
Somos cúmplices
E só nós entendemos

Não lamento meus segredos revelados
Fui sincera, fui leal
Apenas não tive o mesmo em troca..."


By Elena Corrêa

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Proteção Necessária



"Dias Sim e dias Não fazem parte do nosso dia-a-dia

Há aqueles em que o Não parece predominar
Tudo que se tenta fazer, sabe-se lá por que, não dá certo
É que ao primeiro Não já nos deixamos influenciar pela negatividade
Dessa forma, contribuímos para que o resto todo não dê certo

Mas há aqueles em que o Sim impera
Aí tudo flui, tudo conspira a favor
E não nos preocupamos tanto em saber os porquês de ter dado certo
Apenas nos deixamos embalar pela sensação de prazer

Dias Não são complicados
Mas são os mais comentados, pois rendem assunto
Todos se comprazem, oferecem apoio
Nem sempre tão sinceros...

Dias Sim... são apenas dias Sim
Não são tão alardeados
Talvez porque não rendam controvérsias
Talvez porque seja melhor mesmo desfrutá-los em segredo
Protegidos da inveja alheia"


By Elena Corrêa

domingo, 24 de abril de 2011

Falsa Perfeição


"Não responda
Não quero saber o que você pensa
Não pergunte
Você não se interessa pelo que os outros pensam


Se por acaso tiver vontade
Vomite tudo o que sente
Se suportar
Sinta o cheiro do meu vômito


Insiste em responder?
Então continue mascarando verdades
Insiste em perguntar?  Então continue disfarçando mentira


Se preferir a falsa perfeição
Floreie sentimentos
Se o ar de superioridade falar mais alto
Enalteça suas flores plantadas no deserto"


By Elena Corrêa


sábado, 23 de abril de 2011

Falsos Afagos




"Sem hora para ir                 
Sem hora para vir

Não cronometro nem fiscalizo nada
Estou aqui. Estou lá 
Estou em lugar nenhum...

Estou onde me enxergam
Estou onde me escutam 
Estou onde sabem quem eu sou
Mas também estou onde não me vêem como sou
Onde não sou ouvida ou entendida no que digo
Ou onde acham que me conhecem, mas nunca entraram de verdade no meu mundo

Culpa deles?
Não!
Culpa minha?
Não!

Não há culpas
Há pessoas
Há mundos pessoais, particulares, íntimos

Cada um deve ter personalidade para assumir seu próprio mundo
Falar por si mesmo, sem depender de afagos muitas vezes pouco sinceros
Assumir os prós e contras de seus atos

Críticas não faltarão por você ser auto-suficiente
Não ligue
Continue sendo você
E cuidado para não cair na armadilha de comprar o bem querer"


By Elena Corrêa

Aleluia!



"Olho para o céu
E digo apenas: Obrigada!

Obrigada por ter o presente de existir
Obrigada por viver coisas que jamais pensei viver

Obrigada por ter a meu alcance coisas que julgava inatingíveis
Obrigada por encontrar pessoas que me abraçam e comemoram comigo apenas o momento

Porque a vida é feita de momentos
E ela sempre me surpreende com momentos incríveis
E me põe diante de pessoas maravilhosas

Por isso só tenho a agradecer
E só desejar que todos também tenham motivos para dizer: Aleluia!"



By Elena Corrêa

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Sinais Presentes




"Em que ponto do planeta eu estava
não sei mais
Se fazia calor ou frio
não importa

O cansaço veio
e não era pelo peso da mochila
Sentia a boca seca
Mas a sede não era de água


Busquei uma estrela, uma luz, um sinal

Mas não, o desejo não era de algo que me tirasse dali
Só queria uma certeza, a de que deveria ficar

Julguei que essa seria a melhor escolha
Mas o tempo me mostrou que estava errada
Ter coragem de avançar me trouxe leveza, prazer

Hoje não preciso mais buscar uma estrela, uma luz, um sinal
Eles estão sempre presentes
Em qualquer ponto do planeta onde eu esteja"


By Elena Corrêa

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Multidão Silenciosa


"A multidão parece se bastar
E nem todos os olhares, todas as falas, são suficientes para traduzi-la

Tanta coisa a dizer
Tanta coisa a ouvir

Silêncio...

É o que resta

E o dia passa
A noite vira
A madrugada adentra

Silêncio...

A multidão dorme"




By Elena Corrêa

Flashes de Lembranças


"Eu não sei o que se passa
Quando olho para o ontem
De repente
Ele parece tão presente
As lembranças são tão fortes, tão vivas
Coloridas, escuras
Alegres, tristes
Tranquilas, conturbadas

De repente, um flash de lembrança traz tudo tão junto e misturado
Já não sei definir se antes era tudo mais calmo ou mais conturbado

De repente, até o que causou dor naquele momento hoje é motivo de saudade
E o que causava apenas risos, hoje transforma as risadas em lágrimas

Será que eu me tornei uma estranha diante do futuro?
Ou apenas tornei-me uma rebelde diante do que é valorizado hoje?
Não sei
Só sei que antes eu olhava confiante para o amanhã
Agora, para qualquer lado que eu olhe haverá sempre uma dúvida..."


By Elena Corrêa

Uma noite...

"Uma noite
Um vinho
Um amor

Uma noite
Um violão
Um tempo
Um amor

Uma noite
Um sofá
Uma história
Uma canção
Um amor

Uma noite
Uma noite
Uma noite

E um violão que embalará um tempo de contar histórias, traduzido em canções de amor, sorvido em vinho
Em uma noite, qualquer noite..."


By Elena Corrêa

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Desafios


"Estar pronto para desafiar
Respirar fundo e ir

Preparar-se para desafiar
Armar-se e correr para a batalha

Encarar um desafio
Saber empunhar as armas

Desafiar...
Estar pronto para, a qualquer momento, desarmar-se de tudo que põe em dúvida nossa vitória e atacar

E nos sentirmos vitoriosos
Seja qual for o resultado

Ultrapassar obstáculos e chegar na linha de frente é a maior vitória

E, a partir dessa linha
Qualquer um que fique à frente terá sido tão vencedor quanto os que chegaram até ali, a seu lado..."


By Elena Corrêa

terça-feira, 19 de abril de 2011

Novas Viagens


"O amargo gosto do fel torna-se doce
Como a sensação de vazio, de distância, torna-se suave

Como um viajante que perdeu sua estrada
Um marujo que desgovernou-se de seu rumo
Mas mantêm a certeza de que chegarão a seu porto, a seu destino

E haverá sempre um novo passageiro a bordo
E um novo trajeto a ser percorrido

Os antigos lugares são agora desabitados
Um novo espaço deve ser ocupado
Tudo deve ser renovado"




By Elena Corrêa

Metrópolis


"Me engole cidade
e quebra os pedaços que restam de mim
Me encontra perdida
me atira na estrada por onde vou ir

Recolhe meus sonhos
abafa essa vida que não vou viver

O que era eu?
Um sonho de criança que viste morrer

O que sou agora?
Pedaços perdidos
que buscam a esperança de um dia crescer

Não quero ser só
não quero seguir como quem não nasceu"

(Anos 90)


By Elena Corrêa

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Invasores

"Entrego-me por inteira
Nessa entrega total
Há pontos que oculto
Há pontos que escracho
Porque há pontos em mim que precisam ser protegidos
E há pontos que se revelam para serem entendidos

Há aqueles que não são percebidos, e continuarão escondidos
Há os que são compreendidos, mas não serão revelados

Por que eu me entreguei?
Apenas porque gosto da entrega
Sem nunca perder algo que só pertence a mim
Algo que continuará oculto

E será sempre protegido daqueles que não souberem falar a minha linguagem
Por mais que eles se julguem invasores da minha alma"



By Elena Corrêa

Retiscências

"Palavras soltas ao vento
Perdem-se...
Sentimentos inventados
Desintegram-se...
Desculpas mal dadas
Perdem-se...
Novas histórias
Criam-se...
Mentiras
Destroem-se... 
Sonhos
Realizam-se!"


By Elena Corrêa

sábado, 16 de abril de 2011

Perguntas Sem Respostas



"Há interrogações que nada valem
Porque não nos levam a respostas definitivas
Só a novas interrogações
O que vale mais?
O nada pode valer tudo
O tudo pode valer nada
Então, para que insistir na busca por essas respostas?
Para nos enganarmos com novas interrogações, que vão disfarçar as anteriores?

Se não há resposta para a primeira
Esqueça a segunda...
Pare de perguntar
Exclame!"


By Elena Corrêa

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Condenada a Ser Livre


"Quem virá me salvar?
Quem me libertará dessa liberdade?
Ou me deixará presa
Ou se recolherá comigo
Quem entenderá o sentido dessa prisão livre?

Quem não terá medo de vir nesta aventura?
E viverá no ar sem amarras, sem compromissos
Sem ninguém...
Sem nada

Apenas vivendo
Sem cansar de esperar que algo venha decretar a libertação
Sem carcereiro, sem grades, sem cadeado..."


By Elena Corrêa

 

Confissões Para o Mar


 
"Preciso de você

Preciso ver
Preciso sentir
Preciso ouvir
Preciso ser dominada
Preciso do medo que desperta em mim
Preciso desafiá-lo
Preciso ir ao seu encontro
Preciso saber a hora de fugir
Preciso me entregar

Saudade de você

Saudade do seu gosto
salgado
Saudade da sua temperatura
fria ou quente
Saudade da sua imensidão
imenso lá fora
pequeno aqui dentro
Saudade dos seus mistérios
indecifráveis, mas traduzíveis
Saudade de tudo
tudo que vira nada quando mergulho em você"



By Elena Corrêa

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Campanário















“Os sinos tocam
Alguém esta recolhido, escondido
Sofrendo, sentindo dores
Dores físicas, dores de amores

Tudo se mistura

Dor de um sonho perdido                                                 
Dor da busca fracassada de algo inatingível

Buscas
Dores

Cada um sabe quais são as suas

Dores que só sentimos sozinhos
Dores de solidão que só existem no nosso indevassável cantinho

Que importa?
Faz parte de nossa busca
É  nossa redenção
Somos nós, ressurgindo das cinzas

Reescrevemos tudo quantas vezes for preciso
Ainda que o teclado venha falhar

Nós também falhamos
Por melhor que façamos

Por isso sentimos dores
Por isso não desistimos das buscas


Por isso continuamos ouvindo o som de sinos...”



By Elena Corrêa

terça-feira, 12 de abril de 2011

Escolhas


 
"Quem nunca se sentiu como se estivesse numa esquina
sem saber se dobra à esquerda ou à direita?
se segue em frente ou retrocede?

Espera-se por um sinal
E ele não vem
A escolha é sua, só sua

'Faça o que é melhor para você!''

Mas, você se pergunta: qual é o meu melhor?
E começa a colocar tudo na balança

A escolha vai ser sua
Só sua

Segurança não existe em caminho nenhum
Tente escolher o caminho que deixará você menos inseguro
Se for o caso, o que causará menos sofrimento

Escolha feita... Vá em frente, pise firme 
Afinal, foi este o caminho que você, e só você, escolheu"


By Elena Corrêa

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Cara ou Coroa


"Queremos ser compreendidos
Mas às vezes, não adianta,
Parece que falamos A, e o outro escuta B

Por quê?
Talvez porque nem todos queiram admitir que a moeda tem dois lados
Quem só viu um deles vai agir sempre conforme o que dita Cara ou o que dita Coroa

Quem viu só Cara deve levar-se pela cara e a coragem
Deve saber o quanto vale e o quanto custa colocar a 'cara' a tapa, em qualquer situação
E ter coragem de assumir posições 
Sem desvios, sem gracinhas, sem desculpas esfarrapadas...

Quem viu só Coroa deve levar-se pela (falsa) impressão do reinado
Deve valorizar apenas o brilho fácil, venha de onde vier
O que importa é estar 'por cima'
E não precisa assumir posições
Apenas 'usufruir' do bem-estar que a bajulação lhe proporciona

Mas há os que valorizam os dois lados da moeda
E, para estes, não há falsas promessas
Não há falsas bajulações que paguem a autenticidade
Não há posições mascaradas que pague o viver a verdade

A Cara vive sem uma Coroa
Mas a Coroa não é nada sem uma Cara"


By Elena Corrêa

sábado, 9 de abril de 2011

À espera do inesperado



"Num dia qualquer
Num momento qualquer
O inesperado chega
E nos pega de surpresa

"Uma palavra, ou várias palavras
Uma situação, ou várias situações
Faz o tempo parar, ou avançar

E não estamos preparados
Nem para dar a resposta certa
Nem para reagir da forma que poderia ou deveria ser a correta

Afinal, é inesperado
Se fosse esperado, poderíamos nos preparar
E ter a melhor resposta
A reação mais conveniente

Mas aí, o inesperado perderia toda sua graça
E a graça toda está justamente em deixar o inesperado acontecer

É o inesperado que nos 'sacode'
Nos faz prestar atenção a nós mesmos
Nos faz prestar mais atenção à intuição
tantas vezes deixada de lado

E, quando 'ele' chega
É hora de olhar para dentro
Ouvir a voz da intuição
E escolher o melhor caminho

O melhor caminho pode ser pedir que a intuição fale um pouco mais baixo,
não grite tanto
Mas que continue ali...
Para que, ao menos, estejamos um pouco de sobreaviso quando um novo inesperado acontecer"


By Elena Corrêa

 

O Salto




"É perdendo a noção do tempo e buscando um sentido para as horas que percebo, a cada passo, que vou perdendo também a noção do espaço 

Não sei quanto tempo levará até chegar o momento certo 
Apenas avanço 
Levo apenas o receio da certeza, às vezes improvável, de que, depois do mergulho não há volta 
E quanto mais próximo chego, mais aumenta a sensação do incerto...
Até chegar a hora do salto" 


By Elena Corrêa

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Liliputianos são os outros...

"Diante de uma decisão, há sempre o tempo certo para se dizer sim ou não
E há o tempo em que é preciso sempre uma pausa para pensar
Esse é o mais difícil, deturpado, conturbado e definitivo

Por mais que estejamos conscientes, no momento da escolha, sempre haverá certa dúvida insistindo em pairar no ar: ‘Terá sido a escolha certa?’
Haverá sempre um momento que questionaremos se fizemos a opção ideal


Cedendo a curiosidades naturais e intrínsecas, estaremos sempre questionando: 'E se eu tivesse optado por outro caminho? O que teria acontecido?'

Se não fizermos a tal da escolha, jamais saberemos quais serão seus resultados
E eles podem surpreender até a nós mesmos

De repente, o que parecia pequeno se mostra em todo seu valor
E o que parecia grande, revela-se numa miniatura

Você descobre que liliputianos são os outros, não você
Você é grande. E pronto!”

By Elena Corrêa

Desequilíbrio





"O que você faz após perder a própria identidade?
Mergulha fundo em você mesmo
E busca aquele menino de calças curtas confuso
Aquele adolescente desorientado
E se vê diante de um adulto desequilibrado

O figurino que sonhava usar já não se ajusta mais
E na busca de se encontrar, vai se perdendo cada vez mais
Porque não busca em você mesmo
Procura seu próprio eu no outro
Quer encontrar alguém que seja aquilo que você não foi

Quer transformar o outro
Mas não se redescobre
E sai por aí
Espalhando seus traumas, suas dores

Até quando vai se ferir?
Até que ponto vai ferir os outros?"


By Elena Corrêa

Razões Ilusórias


"Como controlar a emoção?
Como impor limites à razão?
Como impedir que uma se sobreponha à outra?
 
Em mim elas agem, brincam e brigam juntas
Convivem numa desarmonia doida
E não saberiam viver independentes

Não consigo sentir sem pensar
Não consigo pensar sem sentir

Minha racionalidade é ilusória
Minhas ilusões buscam o racional"


By Elena Corrêa

quarta-feira, 6 de abril de 2011

O peso do tempo está em nossas cabeças


"Aos 10 anos, brincamos e sonhamos com os 20
Aos 20, sonhamos e imaginamos como serão os 30
Aos 30, estamos na luta, quase sem tempo para prever os 40

E a vida vai correndo
Mas os mais afoitos vão à frente do tempo
Com 50, 60, às vezes ainda se comportam como se tivessem 25

Porque o peso do tempo está em nossas cabeças

Jovens, adultos ou idosos, podemos agir como uma criança de 10 anos
Ou como um ancião de 100
A escolha é nossa
Depende de como encaramos as experiências que vivemos

E agir como quem tem 10 anos nada tem a ver com ser irresponsável
Assim como agir como quem tem 100 nada tem a ver com ser responsável
Você pode ser um ancião e agir e ser feliz como uma criança feliz
Ou ser uma criança e agir e ser infeliz como um ancião infeliz

O que colecionamos através dos anos e que apenas acrescentam como mais um dado na carteira de identidade ou nos formulários burocráticos não contam
O que vale é o que você construiu em você

É a alegria dos seus 10 anos que ainda mantém
Os sonhos dos seus 20 que não deixa morrer
A expectativa do que virá após os 30...

A sensação de ser feliz independe de idade
Independe de tudo que está à sua volta
Depende de uma única pessoa: você"


By Elena Corrêa

terça-feira, 5 de abril de 2011

Ecos da Selva


"Queria ouvir o meu coração
Mas havia tanto ruído em volta
Risadas, alertas, disfarces...
Quem sabe, quem não sabe
De repente, ouço o silêncio da selva
Silêncio quebrado pelo vento agitando árvores e folhagens nunca antes vistas de perto ou pelo grito solitário de um pássaro
Um grito que entra na minha alma e me diz tudo o que mil palavras não disseram Apenas um sinal: ‘Ouça o seu coração. Fuja dos ruídos. Não se deixe enganar pelas risadas fáceis. Cuidado com os alertas falsos. Saiba enxergar por trás dos disfarces’
Mas, o que fazer com tantas informações recebidas antes?
E a resposta vem por acaso, em sons que surgem do nada, apenas dizendo: ‘Filtre-as’
O que é bom para o outro pode lhe dar subsídios para buscar o seu bom
E jamais abra mão de viver o seu bom
Ele pertence a você. E só a você!"

By Elena Corrêa

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Apenas Sensações

 "Foi assim que eu senti
É assim que eu sinto e vou continuar sentindo
Todas as cores e formas se mostrando
E nada sendo visto
Vozes, risos, sons que preenchem o espaço
mas não abafam o silêncio que vem de dentro

Perguntas que se esconderam por temerem suas próprias respostas
A espera do tudo se perdendo no nada..."


By Elena Corrêa

.

Caminhos Opostos


"Eu não pergunto
Você não responde
Eu não afirmo
Você não questiona

Eu não olho
Você não vê
Eu não procuro
Você não encontra

Eu não lembro
Você não esquece
Eu não choro
Você não ri

Eu não dou o primeiro passo
Você não sai do lugar
Eu não calo
Você não consente

E assim, vou vivendo por aqui
E você, sobrevivendo por aí"



By Elena Corrêa

O Senhor da Razão


"Que sujeito estranho é esse
que nos prega uma peça atrás da outra?

Um dia, vemos tudo escurecer...
Procuramos, e não vemos luz...

E somos tomados pelos mais diversos sentimentos
Revolta, desânimo, euforia, tristeza
Vem todos misturados
Ou, um de cada vez

Chega uma hora em que,
cansados de tentar entender,
entregamos os pontos...
Cada um a seu modo

Ou, cedemos à falta de expectativa
e ficamos apenas acomodados
Ou, nos mantemos à espera
confiantes de que uma hora tudo vai mudar

Deixamos de nos dar conta de que ele, o tal sujeito, continua agindo

Até que, de repente,alguma coisa muda
E desencadeia outras mudanças

E nos surpreendemos ao perceber que nós também mudamos

Para cada um, a tal mudança tem um sentido
Mas, para todos
O tal sujeito atende pelo mesmo nome:

Tempo"

By Elena Corrêa

Veronique

"Às vezes penso ser duas pessoas
Tem uma de mim que vive o hoje
A outra, é uma lembrança só

Tem uma que caminha rumo em busca de algo
A outra para e lamenta o que perdeu
Tem uma que sorri às pessoas que passam
A outra chora a saudade das pessoas com quem viveu

Tem uma que um dia será alguém
A outra, um dia deixará de inexistir"


(Anos 90)



By Elena Corrêa

domingo, 3 de abril de 2011

Falsidade


"Que cessem os risos que abafam as vozes irônicas
que se fechem os olhos traiçoeiros
que se cruzem os braços com suas ajudas falsas
Que se afaste esse cinismo que envolve esses infelizes

Sentia-me como se tivessem me cercado e formado um labirinto ao meu redor
Queriam me deixar perdida
queriam me desorientar

Pobres infelizes!

Perderam-se por nunca terem procurado se encontrar
Seus risos são medíocres, assim como suas vidas
Estão ao meu redor,
mas eu sei que existe algo superior e mais forte do que todos eles reunidos


Que aprendam a estender a mão com honestidade
que tragam no olhar sinceridade
que suas vozes transmitam mensagens de amizade
que suas expressões sejam de tranquilidade
que seus risos sejam de felicidade"

(Anos 90)


By Elena Corrêa